quarta-feira, 6 de abril de 2011

Expressões Regionais do Pará



Uma pessoa que não é paraense, acharia estranho um dia escutar: "égua, rapaz!". "Égua", logicamente, é a fêmea do cavalo, mas para os paraenses, esta palavra vai além deste significado, pois é vista como a "vírgula do paraense". Outras expressões como "Pai d'égua", que quer dizer deslumbrante, ou "Pitiú", que refere-se ao odor deixado pelo peixe, são expressões que estão no dia-a-dia, principalmente nos interiores do Estado. Certa vez ouvi uma expressão que era de um significado ecrementador numa frase, e era a palavra "mode", por exemplo: "Essa camisa bonita mas é mode muito cara!". Dá pra entender? E tem mais, quando um paraense fala que tá com "tuíra", quer dizer que ele não tomou banho direito e, quando coçou a pele, ficou aquele pó branco com os rastros certos das unhas, e isso é a tuíra. Tem também o "mais quando!", que não é uma pergunta, como indica o ponto, mas sim uma expressão de desconfiança, como se uma pessoa contasse uma coisa e a outra, que acreditasse na história, dizendo "mas quando", ou seja, "isso é mentira"... Porém, se a história realmnete for uma mentira, ela logo se chamará "potoca", referindo-se a uma história mentirosa. Bom, como são muitas expressões, resolvi fazer esta listinha básica logo abaixo:

Levou o Farelo: se deu mal.
Te acoca: abaixar-se dobrando os joelhos.
Bora logo: rápido, se apresse.
Filho d'uma égua: filho da mãe.
Eu choro: indiferença, ne aí.
Dizque: interjeição de ironia.
Esmigalhar: amassar, desmanchar.
Esbandalhar: quebrar, destruir.
Ralhar: brigar, dar uma bronca.
Carambela: cambalhota.
Lá no canto:lá na esquina.
Varar: estar em um lugar e aparecer em outro.
Axí credo: que nojo.

Essas são só algumas expressões, pois existem outras que muitos paraenses não conhecem, pois são mais usadas nos interiores, os quais não são tão influenciados pelo urbanismo e acabam por criar uma cultura particular, de vocabulário que contribui muito na língua portuguesa... inventando novas palavras. Talvez por isso eu tenha tanto orgulho de ser paraense e... ÉGUA, tá tarde, tenho que ir! Tchau!